• English
  • Português
  • Español
O povo em primeiro lugar

Inclusão Social

 

Renda dos mais pobres cresceu mais do que a dos mais ricos

Se é verdade que todos os segmentos sociais tiveram ganho de renda nos últimos anos, pela primeira vez em décadas os mais pobres saíram ganhando na comparação: entre 2003 e 2012, os 10% mais pobres tiveram crescimento acumulado da renda real per capita de 107%, enquanto os mais ricos obtiveram incremento de 37% na renda acumulada, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Durante os governos Lula e Dilma, a renda média cresceu 38% acima da inflação. Já a renda dos 20% mais pobres cresceu 84%. O muro da desigualdade, que parecia intransponível, começou a ser superado.

 

Política de inclusão sofreu ataques preconceituosos dos conservadores

No começo, diziam que o Bolsa Família iria estimular a preguiça e o ócio. Estavam errados: os recursos do programa aqueceram o mercado e cerca de 70% dos beneficiários adultos entraram no mercado de trabalho, além de 1,3 milhão que já se qualificaram por meio do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), para alcançar melhores condições de inserção no mundo do trabalho. Então, os adversários passaram a repetir que o acesso fácil ao crédito iria endividar a população, como se o povo não soubesse o que fazer com seu dinheiro. Erraram feio: as pesquisas mostraram que a população de baixa renda soube controlar seus gastos.

Depois, disseram que a garantia de novos direitos trabalhistas ia causar desemprego em massa para as empregadas domésticas. Não aconteceu nada disso. Era só chantagem de quem encara as mulheres pobres como mão de obra fácil e barata. Para colocar em prática as políticas de inclusão social, Lula e Dilma tiveram que enfrentar o preconceito e a resistência da parte da sociedade que sempre teve acesso a todos os bens e serviços e tentaram manter no Brasil o enorme fosso que sempre existiu entre pobres e ricos. A diferença é que a ampla maioria dos brasileiros não aceitou retroceder. Com os governos progressistas, eles sabiam que crescimento podia, sim, rimar com direitos sociais e oportunidades para todos.

 

Emprego e renda ajudaram a promover a ascensão social de trabalhadores e trabalhadoras em todas as regiões do país. Foto: Eduardo Aigner/MDS