• English
  • Português
  • Español
Mais forte e respeitado

Incentivo ao Esporte

Lei incentiva investimentos na formação de novos talentos

Vôlei de praia é um dos esportes patrocinados pelo Banco do Brasil / Foto: Nivaldo Alves/CBVDesde que entrou em vigor, em 2007, até 2013, a Lei de Incentivo ao Esporte destinou R$ 1,1 bilhão a quase 2 mil projetos de diferentes modalidades.

A lei permite que empresas e pessoas físicas deduzam do Imposto de Renda o patrocínio a projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte.

É o caso, por exemplo, do Nadando com Gustavo Borges, projeto que o medalhista olímpico mantém desde maio de 2014 em Itu, no interior paulista. Na primeira fase, 160 crianças, com idade entre 8 e 13 anos, serão atendidas.

Pela lei, as empresas podem investir até 1% do Imposto de Renda devido. Para as pessoas físicas, o limite é de até 6%.

 

Empresas estatais reforçam patrocínios, com vistas a 2016

As empresas estatais, que historicamente patrocinam o esporte brasileiro, desenvolveram apoios especiais nestes últimos anos, com vistas sobretudo à preparação para os Jogos Olímpicos de 2016.
 

Banco do Brasil, Banco do Nordeste, BNDES, Caixa, Correios, Eletrobrás, Infraero e Petrobras participam da iniciativa, voltada a fortalecer o esporte de alto rendimento do país em águas abertas (maratona aquática), atletismo, canoagem, basquete, boxe, ciclismo BMX, futebol feminino, ginástica, handebol, hipismo, judô, lutas, modalidades paraolímpicas, natação, pentatlo moderno, taekwondo, tênis, tiro esportivo, triatlo, vela, vôlei, vôlei de praia.

 

A retomada do futebol feminino

O governo Dilma inaugurou também um esforço inédito para fortalecer o futebol feminino. O Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2013 voltou a ser disputado depois de 12 anos, com patrocínio da Caixa Econômica Federal e apoio do Ministério do Esporte.

Em 2014, o incentivo se repete e a competição, que começou em setembro, vai até dezembro. Outras ações, voltadas para o desenvolvimento do esporte com foco nas jovens atletas, foram as realizações da 1ª Copa Brasil Escolar Sub-17 e da 1ª Copa Brasil Universitário de Futebol Feminino.

O Ministério do Esporte já possibilitou também a realização de duas Copas Libertadores da América. A primeira, em 2012, em Pernambuco, e a segunda, em 2013, no Paraná. Foram investidos R$ 600 mil em cada uma das edições dessa competição, organizada em parceria com a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). 

Além disso, visando o desenvolvimento do esporte e fortalecimento das seleções, o Ministério aprovou, por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, projeto para construção do Centro de Excelência de Futebol Feminino em Foz do Iguaçu (PR). A instalação esportiva sediará treinamentos de times e seleções de futebol feminino.