• English
  • Português
  • Español
O povo em primeiro lugar

Educação Básica

 

Creches e pré-escolas

É na primeira infância que se formam as bases para o desenvolvimento físico, intelectual e emocional – e que se começa a atacar a raiz da desigualdade. Para enfrentar o problema desde a origem, os governos Lula e Dilma investiram na construção de creches e pré-escolas e na criação de novas vagas nas unidades já existentes.

Com Lula e Dilma, 8.664 creches foram contratadas; destas, 3.125 foram entregues até o golpe que tirou a presidenta Dilma do poder. Além disso, a cada vaga ocupada por criança do Bolsa Família em creches públicas ou conveniadas já existentes, os governos progressitas suplementaram em 50% os recursos do Fundeb para o município.

Quer saber mais?

• Educação começa na creche

Alfabetização na idade certa

Garantir que todas as crianças estejam alfabetizadas até os 8 anos de idade. Este é o objetivo do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, lançado em novembro de 2012 pelo governo Dilma. O compromisso foi firmado entre governo federal, prefeituras, governos estaduais e do Distrito Federal, com adesão de todas as secretarias estaduais de educação e de mais de 5,4 mil municípios. Pelo pacto, aos 8 anos, todas as crianças devem ter fluência de leitura e domínio de estratégias de compreensão e produção de textos escritos. 

Quer saber mais?

• Ler e escrever na idade certa é um princípio de cidadania

Educação em tempo integral

Melhorar o aprendizado e reduzir desigualdades. Este era o objetivo do Programa Mais Educação, criado pelo governo Lula, em 2007, que ampliou a jornada escolar para no mínimo sete horas diárias. Até 2015, foram mais de 60 mil escolas com educação em tempo integral nos 26 estados e Distrito Federal – 32 mil delas com maioria de alunos beneficiários do Bolsa Família, que tinham menos estrutura material e apoio familiar para fazer as lições de casa. Além das disciplinas regulares, os estudantes contavam com atividades de orientação de estudos, leitura e acompanhamento pedagógico, além de esporte e lazer, comunicação, artes, cultura digital, educação ambiental, economia solidária e criativa, entre outras.

Após o golpe contra a presidenta Dilma, o programa foi extinto pelo governo Temer. 

 

Transporte Escolar

Criado pelo governo Lula em 2007, o Caminho da Escola leva o estudante aonde a escola está, com segurança e conforto. Durante os governos Lula e Dilma, foram entregues 30,5 mil ônibus com especificações exclusivas para o transporte de estudantes, sendo 28 mil para o transporte rural e 2,5 mil para o transporte de crianças com deficiência nas áreas urbanas. De 2008 a 2015, foram investidos R$ 7,5 bilhões no programa. 

Mais de 5,4 mil municípios foram beneficiados pelo programa, que ofereceu também lanchas (918) e bicicletas para garantir o acesso e a permanência dos alunos na rede de ensino. Outro avanço importante: no governo Lula, os alunos de creches, pré-escolas e ensino médio da zona rural, antes excluídos, conquistaram o direito ao transporte escolar.O programa Caminho da Escola garantiu ônibus novos para o transporte escolar de milhares de crianças em mais de 5,4 mil municípios (Foto: Ricardo Stuckert)

Quer saber mais?

• Toda escola pública pode ter transporte de qualidade

• Programa Caminho da Escola, do governo federal, impulsiona educação em Minas Gerais

 

Alimentação escolar

Antes do governo Lula, as creches públicas com crianças de 0 a 3 anos de idade não recebiam repasses federais para alimentação. Lula corrigiu esta injustiça no início do seu governo, e superou outra em 2009, incluindo no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) os alunos do ensino médio (8,3 milhões de estudantes em 2013). Também a partir de 2009, 30% da alimentação escolar passou a ser obrigatoriamente comprada da agricultura familiar, beneficiando fortemente os pequenos produtores rurais locais e garantindo alimentação mais saudável aos estudantes. Os recursos destinados à alimentação escolar saltaram de R$ 848,5 milhões em 2002 para R$ 3,8 bilhões em 2015, beneficiando 42,6 milhões de estudantes da educação básica.

Brasil Alfabetizado

Na última década, os governos Lula e Dilma construíram uma forte política de combate ao analfabetismo, com o apoio de estados e municípios. O Programa Brasil Alfabetizado garantiu recursos suplementares para a formação dos alfabetizadores e aquisição e produção de material pedagógico, além de alimentação escolar e transporte dos alunos. O resultado destas e outras ações foi a redução do analfabetismo de jovens e adultos: de 11,5% em 2004 para 8,0% em 2015. Na faixa de 15 a 19 anos, a taxa chegou a apenas 1%, demonstrando a eficácia das políticas para a educação básica dos governos Lula e Dilma.

Olimpíada de matemática

“Não vai dar certo. Aluno de escola pública é desmotivado”. Esta foi uma das frases mais ouvidas pelo presidente Lula quando, em 2005, decidiu realizar a primeira Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP).

Mas a iniciativa deu tão certo que na décima primeira edição edição, em 2015, mais de 17 milhões de crianças e adolescentes, de 47.580 mil escolas de 99,48% dos municípios brasileiros, participaram da disputa por medalhas e bolsas do Programa de Iniciação Científica Júnior, desenvolvido em parceria com o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA). O objetivo da Olimpíada é incentivar os estudantes a seguirem carreiras científicas e tecnológicas, para colocar o Brasil no lugar mais alto do pódio.A Olimpíada da Matemática tem sido um estímulo ao estudo para milhões de jovens de todo o país (Foto: Ricardo Stuckert)

Olimpíada de português

Ajudar a escrever o futuro: com este objetivo, o Ministério da Educação  do governo Lula firmou parceria com a Fundação Itaú Social para realizar a Olimpíada de Língua Portuguesa. Em 2014, na sua quarta edição, a Olimpíada recebeu a inscrição de 176 mil turmas de estudantes, disputando as categorias Poemas, Crônicas, Memórias Literárias e Artigo de Opinião, juntamente com 100 mil professores de 46 mil escolas da rede pública de todo o país.

A qualidade dos textos surpreende. Veja só os versos do Henrique Douglas, 12 anos, filho de um vaqueiro do sertão do Rio Grande do Norte: “O sertanejo anseia/ Uma visita em nossa terra/ Faz as honras da casa/ E ansioso espera/ São José intercede/ E o povo reza”.